As ideologias são medicamentos fora de prazo

Uma ideologia começa por ser uma receita: um medicamento criado para combater um problema social específico, num determinado contexto histórico. Querer que esse medicamento seja universal – eficaz em todas as enfermidades sociais e em todas as épocas – é algo que está para além da racionalidade: é crença, religião, fanatismo, e é precisamente o que são as ideologias mais radicais, de esquerda ou de direita (unidas, como mais uma vez se prova, a propósito do que se passa na Catalunha). Os seus acólitos convencem-se e tentam convencer-nos de que existe uma banha da cobra milagrosa que cura todas as maleitas sociais. Esse insano utopismo, constitui, na prática, o maior obstáculo à erradicação da violência, à Paz Perpétua sonhada por Kant e tantos outros humanistas. Paz que temos conseguido manter numa Europa unida; União que alguns fanáticos estão empenhados em destruir.