Longe da Árvore

Andrew Solomon, ao centro, com a família mais próxima.

O título, “Longe da Árvore”, remete para um provérbio alemão que diz “a maçã nunca cai longe da árvore”, indicando que os filhos nunca se afastam muito do que os pais são. Esta ligação (ou continuidade) entre pais e filhos transmite aos últimos a chamada “identidade vertical”, embora haja casos em que, devido à sua excecionalidade, prevalece uma identidade diferente, partilhada por indivíduos com características e personalidades especiais, a chamada “identidade horizontal”. “Longe da árvore”, portanto. Solomon estudou dez grupos muito heterogéneos (que correspondem a tantos outros capítulos do livro). São eles, por ordem de entrada em cena: “Surdos”, “Anões”, “Síndrome de Down”, “Autismo”, “Esquizofrenia”, “Deficiência”, “Prodígios”, “Violação”, “Crime” e “Transgéneros”, aos quais acrescentou um primeiro capítulo sobre “Filhos” e um último intitulado “Pais”.

Solomon faz, digamos assim, um ponto da situação sobre os desenvolvimentos que ocorrem dentro de cada grupo – o antes, o agora e o que se pode esperar no futuro – ilustrados com casos reais (centenas deles) que o autor pesquisou, muitas vezes in loco, durante mais de uma dezena de anos. Depois, mostra-nos como, mesmo em casos em que os pais, à partida, pensam não suportar (sobretudo nos de deficiências graves, autismo, esquizofrenia, violação e crime), o amor, quase sempre, acaba por vencer, através da aceitação da pessoa (filho ou filha) tal como é. Por fim, coloca a questão dos limites.

Passámos rapidamente (e ainda bem) de uma época, há uns meros 20 ou 30 anos, em que estas pessoas excecionais eram descartadas pela sociedade (colocadas em instituições, abandonadas ou mesmo mortas) para a época atual, em que as crianças que nascem com potenciais identidades horizontais veem reconhecido o seu direito a uma vida digna por parte do Estado e das famílias. Perspetiva-se já um futuro em que os filhos poderão ter essas (ou outras) características excecionais selecionadas pelos pais. Surdos podem querer ter filhos surdos, anões podem querer filhos anões, etc. Alguns destes grupos constituem-se já como subculturas, como é o caso das comunidades surda e gay, por exemplo, e o mesmo pode acontecer com portadores do síndrome de Down e outros, cujos pais, por razões diversas, não consideram que os filhos tenham qualquer patologia (daí não estarem interessados numa cura), mas apenas uma identidade diferente, que, em nome da diversidade, se deve perpetuar. Até que ponto isto é legítimo e saudável constitui apenas uma das muitas questões controversas que os desenvolvimentos técnicos, científicos e sociais vieram colocar na ordem do dia.

Todo o livro (com mais de mil páginas) é escrito com mestria e no último capítulo Solomon aborda a sua própria experiência enquanto progenitor, descrevendo o seu trajeto de pai homossexual, mostrando-nos o quanto o exemplo de tantos outros pais, que aceitaram as identidades horizontais dos filhos, foi importante para ele, inspirando-o e mostrando-lhe que só há um caminho justo entre a rejeição e o fundamentalismo – o do amor.

******************************

Foto retirada e adaptada de: nytimes.com.

Alfama à Solta II

******************************

Podes estar convencido de que és um inteligente acima da média. E, se reparares à tua volta, em círculos cada vez mais largos, é bem provável que a maioria pense como tu. O cerne da questão, porém, não consiste nessa impossibilidade estatística (de facto, não é possível a maioria estar acima da média) mas na tua convicção: com ela já pisaste, pelo menos com um pé, o terreno lúbrico da estupidez.

******************************

O pioneirismo do que chamamos de Descobrimentos Portugueses tem pouco que ver com “descobertas”. Feitos muito mais extraordinários foram levados a cabo por diversos povos, muitos séculos antes da epopeia portuguesa – os Polinésios, por exemplo, que, em simples canoas, percorreram mais de mil milhas marítimas para colonizarem terras, como a Ilha de Páscoa, ou os Vikingues, que, nos seus navios rudimentares chegaram à América. A grande novidade dos chamados Descobrimentos foi o estabelecimento regular do comércio de longa distância, que impulsionou um novo período, mercantilista, que viria a culminar no que hoje se conhece por globalização.

******************************

As notas de rodapé são como os acabamentos de uma casa: pormenores importantes.

******************************

Kant e Popper correspondem, na Filosofia, a Newton e Einstein, na Física.

******************************

A presunção e o convencimento são, respetivamente, a estupidez dos ignorantes e a dos eruditos.

******************************

Crer ou não crer, eis a questão.

******************************

O ódio é um amor magoado.

******************************

Num país de críticos, nada mais natural do que um país crítico.

******************************

Abril não tem cor. Trouxe-nos a liberdade para o pintarmos como quisermos.

******************************

Não são as leis progressistas que tornam melhor o Povo. É o Povo progressista que torna as leis melhores (a propósito da eutanásia).

******************************

Dois intelectuais, dois ganhadores do Nobel, dois escritores, dois famosos interventores sociais do início do século XXI: Llosa e Saramago. Os pensamentos de ambos estão nos antípodas. Mostrará a história, um dia, quem tinha razão? Não sei, talvez ninguém saiba ou talvez seja impossível saber. Mas sei que, apesar de saber muitíssimo pouco, sou Llosa e não Saramago.

******************************

A estupidez é provocada tanto pela carência de inteligência como pelo seu excesso.

******************************

O historicista tem horror da mudança. Procura pará-la (Platão), domá-la (Hegel) ou predizê-la (Marx).

******************************

Divulgar o que te vai na cabeça, sim. Desde que tenhas em consideração o que vai na cabeça de muitos outros.

******************************

Apregoar uma moral ou impô-la a si próprio. Eis a diferença entre o ideólogo e o filósofo.

******************************

Jesus foi não apenas um judeu, mas um judeu cheio de zelo. Um zelota.

******************************

Liberdade não é ideologia. Liberdade é o que possibilita termos, ou não, uma ideologia.

******************************

Bendito aquele que não precisa de ser pai para gostar de crianças e bendito o que não precisa de ser idoso para respeitar os mais velhos. Benditos todos os que não precisam de ser mudos para amarem os que não têm voz.

******************************

A verdadeira oposição não é entre esquerda e direita, pois as esquerda e direita moderadas estão ambas no campo da democracia, do direito e do respeito pelo indivíduo, bem como a extrema-esquerda e a extrema-direita estão ambas no campo da tirania. A verdadeira oposição é entre liberdade e opressão, isonomia e injustiça. E sim, sim, os extremos tocam-se.

******************************

Há lugares no mundo que podemos amar, embora só os conheçamos de passagem. Como uma mulher inesquecível com quem estivemos uma única vez.

******************************

Tal como algumas pessoas correm 10 kms por dia para manterem a boa forma física, eu pronuncio dez vezes por dia a frase “não julgues ninguém exceto a ti mesmo” para manter a boa forma mental.

******************************

Gosto tanto do equilíbrio que eu próprio não passo de um mediano.

******************************

Apesar das nossas melhores intenções, não desejo influenciar a personalidade das pessoas, ajudá-las a mudar num sentido melhor, porque sempre haverão grandes diferenças entre todos nós e o mundo seria mais desinteressante se essa heterogeneidade diminuísse ou acabasse. Genética e ambiente fazem de cada ser, único no mundo. O nosso dever, portanto, só pode ser o de respeitar cada pessoa na sua individualidade. E as nossas melhores intenções devem dirigir-se não para o indivíduo, mas para melhorar e garantir uma sociedade em que cada um, no respeito pelo outro, possa ser plenamente quem é.

******************************

Tenho um problema antigo com o conceito de “coerência”, o qual geralmente quer dizer “acreditar no mesmo até ao fim”. Pois, quanto a mim, coerência não é isto. Coerência tem que ver com a nossa interpretação honesta da realidade, e esta, ao longo da vida, vai sempre mudando. Coerência é o contrário de dogma, e o contrário de dogma é ciência.

******************************

Não há discurso mais odioso do que aquele baseado na (suposta) superioridade moral.

******************************