Dudamel em Alfama

Gustavo DudamelHoje no Largo do Chafariz de Dentro topei com um amigo que não via há anos. Apareceu do outro lado da rua caminhando ao meu encontro. Estava diferente, o cabelo em carapinha, bem pretinho, uns bons dois palmos estendidos para o céu, mas com uma faixa prateada, a toda a volta, na base. Seu sorriso era aberto, alvo, feliz, lembrou-me o de Gustavo Dudamel; e a pele do seu rosto era rosada, brilhante, bonita – podia ver cada poro, tão perto estávamos um do outro.

Lembro-me perfeitamente de me ter sentido incomodado com o seu inesperado rejuvenescimento.

Depois, subindo por uma ruela cheia de obstáculos, que eu não sabia se tinha saída, deparei com um animal enorme, assemelhado a cão, na forma,  e a lagarto, na pele, mas do tamanho de um cavalo, embora mais magro. Quando o avistei, ele estava no topo da rua distraído com qualquer coisa, mas depois virou-se e correu na minha direção. Enorme como era, não demorou dois segundos a alcançar-me. Tinha a pele cor de laranja, com manchas pretas, e uma cabeça semi-humana – uma cabeçorra que ficou a milímetros de mim! – com as ventas achatadas e as orelhas curtas e espetadas, em forma de V. Só tive tempo de pegar num enorme pau (na verdade era mais uma tábua de soalho) e colocá-lo em riste. Meu coração batia forte. Ao ver isto, a besta bufou, deu meia volta e desapareceu numa viela.

Uff!!! Acordei atordoado, ainda com estas imagens claríssimas no meu cérebro. Se eu soubesse desenhar construiria figuras perfeitas e detalhadas quer do meu amigo, quer deste magnífico animal. Mas fiquei apenas sentado na cama, esfregando os olhos, pensando com os meus botões em como é vasto e rico o Mundo dos Sonhos. Todos os dias lá vamos pegar peças tão nítidas, reais e fantásticas, que fazem corar de inveja a mais pura Imaginação. O curioso é que tanto o Inconsciente quanto a Imaginação recorrem à realidade para montarem as suas narrativas. Só que enquanto a Imaginação o faz construindo e reconstruindo essa realidade, o Inconsciente apresenta-nos um filme instantâneo, a cada momento. Mais ou menos como dividirmos 3557 por 43 utilizando um lápis ou uma máquina de calcular.

E agora fiquei com algo na cabeça – que será feito do meu amigo?

———————————————————————————————————————————–

Foto de Dudamel copiada de http://content.time.com/time/magazine/article/0,9171,1655434,00.html

One thought on “Dudamel em Alfama

  • Todos os dias sonho…com isto aquilo mas nunca encontro o fim do sonho. Provavelmente até nisso não me encontro ou não encontro sei lá. A busca é constante, corro, corro desesperado na busca daquilo que não encontro….nem os contornos do mesmo consigo descrever, fico feliz por aqueles que até a sonhar conseguem descrever o caminho do sonho ou do seu sonho….

Os comentários estão fechados.