Maurícia

A magnífica praia de Le Morne, no sudoeste da Maurícia, provavelmente a mais famosa do país.

Embora fossem já conhecidas pelos marinheiros árabes e malaios no século X, as ilhas desabitadas das Maurícias só seriam mapeadas centenas de anos depois, no século XVI, pelos portugueses. No século XVII foram colonizadas pelos holandeses, que lhes deram o nome que persistiu até hoje, em homenagem a Maurício de Nassau. Por sua vez, os franceses assumiram o controlo das Maurícias em 1715, transformando a ilha principal numa importante base naval, de onde controlavam o comércio no Índico. Foram os franceses que desenvolveram na Maurícia a cultura da cana-de açúcar. Em 1810, durante as guerras napoleónicas, os ingleses apoderaram-se da ilha, que permaneceu uma base naval relevante, servindo, durante a Segunda Guerra Mundial, como base aérea de onde os britânicos controlavam as movimentações marítimas dos alemães naquela zona do globo.

A independência das Maurícias foi alcançada em 1968. O país é, desde aí, uma democracia livre e aberta. Nos últimos anos conseguiu atrair forte investimento estrangeiro e tornou-se um dos países africanos com maior rendimento per capita.

A República das Maurícias é constituída por quatro ilhas – Maurícia, Agalega, São Brandão e Rodrigues – e reivindica a soberania sobre a pequena ilha de Tromelin, considerada pela França parte do departamento francês da Ilha de Reunião, e sobre o arquipélago de Chagos, que integra, ilegalmente, o Território Britânico do Oceano Índico1. Todas estas ilhas fazem parte das chamadas Ilhas Mascarenhas2, que se estendem até 1.200 quilómetros para leste de Madagáscar.

A Maurícia possui um planalto central de onde se avistam as montanhas junto à costa. O ponto mais alto da ilha fica no Monte Piton, 828 metros acima do nível do mar.

A ilha Maurícia, a única que visitámos, é de origem vulcânica e está quase na sua totalidade rodeada por recifes de coral. No século XVII ainda aqui vivia o dodó, uma ave endémica da família dos pombos (mas muito maior), extinta pela caça indiscriminada. O dodó é símbolo nacional, a par da trochetia boutoniana, uma flor igualmente endémica. Hoje, a Maurícia é um dos locais mais densamente povoados da Terra, com quase um milhão e meio de habitantes, dois terços dos quais de origem indiana.

Durante muitos anos a cana-de-açúcar constituiu a principal produção e indústria da ilha, suportada por mão-de-obra escrava, proveniente de Madagáscar, Moçambique e outros pontos da costa leste africana. A escravatura foi abolida pelos britânicos em 1835 e a mão-de-obra escrava foi substituída por imigrantes indianos, contratados para trabalharem nas plantações. Estes foram os principais povoadores da ilha e assim se justifica que a atual população da Maurícia seja constituída, sobretudo, pelos seus descendentes.

Flic en Flac, a meia-hora de carro da capital, Port Louis, é a praia mais frequentada pelos mauricianos.

Atualmente a economia das Maurícias continua a depender, numa fatia importante, da cana-de-açúcar, que ocupa 90% da área cultivada3. Mas as atividades económicas estão hoje muito mais diversificadas. O turismo, claro, está à cabeça. Mas também têxteis, vestuário, serviços financeiros, indústrias ligadas à pesca e tecnologias da informação e comunicação. O governo mauriciano aposta claramente na economia de mercado, tendo definido cinco tipos de prioridades: usar as Maurícias como porta de entrada dos investimentos estrangeiros em África; aumentar o uso de energias renováveis; desenvolver cidades inteligentes; apostar na economia oceânica; e melhorar as infraestruturas, sobretudo os transportes públicos, o porto e o aeroporto4.

A primeira coisa que fizemos quando chegámos a Port Louis, a capital das Maurícias, depois de uma volta pelo centro da cidade, foi levantarmos o carro que previamente havíamos reservado. Só depois rumámos a sul, em direção a Flic en Flac, uma zona balnear muito frequentada pelos mauricianos, a apenas 25 quilómetros da capital. A praia é tipicamente tropical, com água morna, muitas árvores ao longo do areal, entre as quais as famílias “picnicam” e convivem aos fins de semana, vendedores ambulantes, comércio e muita gente. Quando ali estivemos iniciava-se a época das chuvas, que vai de novembro a maio, ou seja, o período do verão. O resto do ano – o inverno – é menos quente e chuvoso, pelo que é talvez a época do ano que mais agrada aos turistas externos, aqueles que vêm às Maurícias para fazer praia.

As cores destas dunas resultam da transformação da lava basáltica em minerais de argila, num processo que decorreu ao longo de milhões de anos.

Depois de um mergulho na praia de Flic en Flac, continuámos para sul, infletindo um pouco para o interior, em direção ao Chamarel Seven Colored Earth Geopark, um parque natural com plantas exóticas e endémicas, uma cascata com cerca de 100 metros de altura, e uma zona em que se pode observar o fenómeno natural que dá nome ao parque – areias resultantes da erosão das rochas vulcânicas, através de um processo complexo, ainda parcialmente desconhecido, formam faixas ondulantes de cores diversas.

Já ao fim da tarde, continuámos a nossa viagem para sul, até avistarmos a paisagem cultural Le Morne – uma zona constituída por uma montanha rugosa (onde, em tempos, os escravos africanos se refugiaram) e uma belíssima praia – Património Mundial da UNESCO desde 2008. Tomar um banho ao pôr-do-sol em Le Morne é uma experiência que faz parte dos roteiros mais afamados das Maurícias. E vale muito a pena. A água do mar tem uma temperatura muito idêntica à temperatura do ar, pelo que os banhos na praia de Le Morne podem ser bastante demorados; é fácil esquecermo-nos do tempo e ficarmos no mar para lá dos últimos raios de luz, envolvidos pelos tons quentes do céu.

Era noite quando entrámos no carro para fazermos o percurso de volta até Port Louis. Embora aqui, tal como nas Seychelles, se circule pela esquerda, as estradas são um pouco mais largas, o que facilita a vida a muitos condutores estrangeiros.

Depois de um banho de mar ao pôr-do-sol, selámos a nossa passagem por Le Morne com um beijo.

No dia seguinte, manhã cedo, fomos visitar o Grand Bassin (também conhecido como Ganga Talao5), um lago natural numa cratera de um vulcão extinto, de beleza cativante. Conta a lenda que esta água provém do rio Ganges, o mítico rio indiano. Muitos peregrinos mergulham no lago, durante o festival anual de Shivratri 6, quando metade dos hindus da ilha se deslocam, a pé, até este local sagrado. Aqui existem vários templos e estátuas, que exibem a exuberância de símbolos e cores, típica da religião hindu. O templo mais importante em Ganga Talao é o de Lingam, dedicado ao Senhor Shiva, que atrai, anualmente, um grande número de peregrinos.

Depois da visita ao Grand Bassin retomámos a estrada B102, rumo à costa sul da ilha. Do lado esquerdo da estrada fica o Parque Natural do Vale das Cores,7 e, do lado direito, a maior reserva natural das Maurícias, o Parque Nacional Black River Gorges.

Este parque, habitado por uma densa floresta tropical estende-se por cerca de seis mil hectares, albergando mais de 300 espécies de plantas com flores nativas e várias espécies de aves endémicas da ilha, algumas ameaçadas de extinção. Um dos animais mais curiosos deste parque é a “raposa voadora das Maurícias”, um morcego frugívero8 de grande envergadura.

Grand Bassin é o maior centro de peregrinação hindu fora da Índia.

Finalmente, chegámos à Rochester Falls, a apenas 2,5 quilómetros da cidade costeira de Souillac. Trata-se de uma cascata não muito alta, mas bonita, com várias rochas retangulares, esculpidas pelas águas, ao longo de milhares de anos. Para alcançá-la, temos de percorrer de carro, uma estrada estreita de terra batida, subindo, e, depois de uma pequena clareira onde se pode deixar o carro (se não houver muita gente), descendo, a pé, até a cascata. Há quem tome aqui banho, mas nós não o fizemos. O ambiente é fresco e relaxante, e as gotículas de água trazidas pelo vento batem-nos agradavelmente no rosto.

Na volta, viemos diretamente para Port Louis, para a última tarde na cidade, depois da entrega do carro na agência de aluguer.

Percorrer as ruas da capital das Maurícias a pé, debaixo do sol inclemente, requer um esforço físico, do qual, para sermos sinceros, não se é totalmente recompensado. De facto, do ponto de vista arquitetónico e paisagístico, a cidade é relativamente pobre.

A Rochester Falls serviu de cenário para vários filmes de Bollywood.

Para lá dos poucos edifícios interessantes – alguns da era colonial e outros de caráter religioso (como mesquitas, pagodes, igrejas e templos) – o principal atrativo em Port Louis é o contacto com as pessoas, nas ruas e, sobretudo, nos mercados. Um ou outro grafite chama também a atenção, entre as muitas dezenas que se podem observar9.

O Mercado Central é um mundo de cheiros, sons, texturas, cores e sabores, onde encontramos produtos alimentares frescos (carne, peixe, marisco, vegetais, frutas e especiarias) petiscos locais para consumir na hora e produtos artesanais variados, sempre passíveis de serem regateados. Mesmo durante a semana este exuberante mercado está quase sempre cheio, porque os habitantes locais que trabalham nas redondezas aproveitam para aqui tomarem um lanche barato.

Os lanches mais típicos são a alouda de amêndoa, uma bebida à base de leite com tapioca, o dholl puri, uma panqueca de farinha de ervilha, e a farata, outra panqueca, mas, deste feita, de farinha de trigo. Provar um petisco no mercado central – nada melhor para concluir uma viagem à bela, tolerante e surpreendente Maurícia.

ATisane Mootoosamy é uma das lojas mais antigas, famosas e populares do Mercado Central de Port Louis e mesmo de toda a Maurícia. Jay Mootoosamy, o atual proprietário, dá continuidade ao negócio iniciado, em 1900, pelo seu tetravô.

**************************************************

Notas:

1 Consultar: https://pt.wikipedia.org/wiki/Arquip%C3%A.

2 Assim chamadas em homenagem ao navegador e vice-rei da Índia Pedro Mascarenhas que as avistou quando comandava uma armada portuguesa em trânsito entre Portugal e a Índia. Por seu turno, a ilha de Rodrigues é assim chamada por ter sido descoberta em 1528 pelo piloto português Diogo Rodrigues.

3 Embora represente apenas entre 3% a 4% do PIB nacional.

4 https://www.cia.gov/the-world-factbook/countries/mauritius/.

5 Ganga Talao significa, literalmente, “Lago do Ganges”.

6 O festival Maha Shivratri estende-se por três dias inteiros.

7 La Vallee des Couleurs Nature Park.

8 Cuja dieta é à base de frutas.

9 Um bom guia para conhecer a arte de rua em Port Louis é: https://www.letsventureout.com/port-louis-mauritius-street-art/.

**************************************************