As legislativas de 2015

cavaco-silva1
Cavaco não comparecerá nas cerimónias do 5 de outubro para “analisar o resultado das eleições”. Mais uma atitude deplorável do mais deplorável Presidente da República de Portugal.

Amanhã Portugal vai mais uma vez a votos e não há que esperar nada de novo. A Direita unida, a Esquerda desunida – é esta a constante desde o 25 de abril, em Portugal e, historicamente, em todo o mundo.

A atitude do BE e do PCP é a de continuarem a afirmar que o sistema (capitalista) está viciado, que as regras são injustas, que os árbitros estão comprados, que há privilégios para uns que outros não têm, enfim, que é preciso romper com o sistema e mudar as regras.

(Isto faz-me recordar o discurso do presidente de um certo clube que, por sinal, é o meu).

No meio desta polémica (um tanto estéril) sobre o “modelo” ideal de sociedade, introduzida quotidianamente no ambiente político pelo BE e PCP está – entalado – o PS: acusado pela Direita de querer alinhar com quem quer romper com o sistema e pela Esquerda de não querer abandonar o atual. 

Estes dados bastante simples já eram conhecidos há muito. Face aos mesmos, qual foi a estratégia do “entalado” PS? Querer agradar a gregos e troianos – uma ambiguidade que lhe custará caro. António Costa deveria saber que, nesta competição, as jogadas para golo não se constroem nas laterais, mas sim pelo Centro do terreno. E isto também não é novo; de facto, é uma tendência que se verifica em toda a Europa.

Se ganhar, o PS será derrubado por iniciativa dos mesmos de sempre – aqueles que lhe exigem que rompa com o “sistema”. Porém, com tanta ambiguidade, o PS é mesmo capaz de perder; há gente que não gosta do governo, mas que não vê neste PS uma alternativa credível.

Perante estes dois cenário prováveis, a única coisa que parece certa é que ninguém (PS ou PàF) vencerá com maioria absoluta, o que dará, sem mérito, um prémio de consolação (que será celebrado como uma vitória) aos partidos anti-sistema – BE e PCP.

Assim, não haverá amanhã um vencedor claro, mas apenas um perdedor – o país – pelo menos até as próximas eleições legislativas, as quais ocorrerão seguramente muito antes de 2019. 

—————————————————————–

Foto de Cavaco Silva retirada de http://www.declinioqueda.wordpress.com