A Alemanha e a Europa

Der-deutsche-Finanzminister-Wolfgang-Schaeuble-und-vier-Amtskollegen-wollen-gegen-Steuerbetrug-vorgehen-Archiv-

Herr Wolfgang Schäuble.

É da História. Quando a Alemanha pôde decidir algo sobre a Europa, decidiu mal. A maior parte das vezes, como se sabe, com consequências catastróficas. E a História, que “nunca se repete”, tem uma tendência incrível a repetir-se quando se trata dos alemães.

Hoje, corremos todos o risco de assistir a mais uma repetição da História, se permitirmos que personagens intragáveis, como Wolfgang Schäuble, decidam por nós.

Isto sabem os ingleses muito bem. Por isso, com o seu espírito pragmático, mantêm-se sabiamente com um pé dentro e outro fora da União Europeia.

———————————————————-

Foto copiada de ouropel.blogspot.com

A “Peregrinação” de Fausto Bordalo Dias

A “Peregrinação”, de Fernão Mendes Pinto, é uma daquelas obras incontornáveis da cultura universal. Escrita após uma viagem de 21 anos pelo Oriente (Mendes Pinto saiu de Lisboa em 1537 e regressou em 1558), e editada pela primeira vez em 1614 (cerca de 30 anos após a morte do autor), causa, ainda hoje, muita polémica.

Desde logo, pelo longo período que medeia entre as aventuras (e desventuras) da viagem e a entrega do manuscrito (pela filhas de Fernão Mendes) para publicação. Seguramente este (o manuscrito), cujo original está hoje perdido, passou por várias mãos… Teria sido alterado?

Depois, há várias questões que se prendem com o conteúdo da obra: a linguagem, a toponímia, a reconstituição de percursos e personagens. Por exemplo, quem foi esse corsário português chamado António de Faria? (Aquilino Ribeiro aventou a hipótese de que fosse o próprio Fernão Mendes). E o Coja Acem? Não há unanimidade, como seria de esperar, e é, de resto, impossível comprovar ou desmentir cada um dos episódios desta imensa obra. A “Peregrinação” tem 226 capítulos e mais de 800 páginas [1]. Porém, uma coisa é certa: a maior parte do que Fernão Mendes narra é verdade. Esta é a conclusão a que chegam os investigadores, nacionais e estrangeiros. Há quem diga mesmo que, à medida que se são vão ampliando os estudos, Fernão Mendes mente cada vez menos. Uma alusão evidente ao trocadilho “Fernão, Mentes?”, que alguns dos mais céticos colaram a este aventureiro de Montemor.

Por fim, as questões mais filosóficas. Que tipo de obra é a “Peregrinação”? O que a motivou? Qual a intenção de Mendes Pinto ao escrevê-la? Será uma sátira, como pretende a historiadora americana, Rebbeca Catz? Uma busca interior, um caminho de conversão, como defende o professor da Universidade do Algarve, António Rosa Mendes?

Ciente destas e de outras questões sobre a obra em causa, estaria e estará, seguramente, Fausto Bordalo Dias, que, no entanto, as abordou de uma forma original. Como? Criando em cima daquela obra-prima uma outra obra-prima. Este autor, ao contrário do primeiro, não saiu de Lisboa – e a sua viagem foi (pelo menos até certo ponto) toda interior. Daí resultou um trabalho que é, sem dúvida, a melhor (re)interpretação da obra de Mendes Pinto. Desta feita, através de sons, viajamos, no espaço e no tempo, como já fizéramos através da “Peregrinação”. E, durante a viagem, podemos nós próprios – se para tal tivermos asas – “voar por cima das águas”…

Não é, de forma alguma, descabido considerar “Por Este Rio Acima”, um álbum de 1982 (no qual se integra a canção aqui apresentada), como “obra-prima”. A criatividade e a competência patentes na música, nas letras, nos arranjos, nos instrumentos e instrumentistas escolhidos; as vozes, incluindo a voz belíssima do próprio Fausto – tudo se harmoniza num nível muito acima das nossas cabeças. Acresce que, tal como a obra que a inspira, esta é uma criação caracteristicamente portuguesa. Mas não seria obra-prima se não fosse universal.

“Por Este Rio Acima” é a primeira obra de uma trilogia, intitulada “Lusitana Diáspora”. A segunda obra foi o álbum “Crónicas da Terra Ardente”, de 1994, baseado na “História Trágico-Marítima”, uma relação de naufrágios, compilados por Bernardo Gomes de Brito, e publicada em dois tomos em 1735 e 1736. A terceira (e última) obra foi o álbum “Em Busca das Montanhas Azuis”, de 2011, o qual já não se baseia nas viagens marítimas dos portugueses, mas na descoberta do interior do continente africano.

Fausto criou doze álbuns de originais ao longo de mais de 40 anos de carreira. A sua vida está desde cedo ligada ao mar e à apetência marítima dos portugueses. Fausto Bordalo Dias nasceu em 1948, no interior do navio “Pátria”, algures no Atlântico, entre Angola e Portugal.

————————————————————-

Notas:

[1]  Pelo menos no exemplar que possuo da Relógio d’ Água… Acrescente-se que a esmagadora maioria dos historiadores concorda sobre a impossibilidade de decifrar completamente a “Peregrinação” São os casos do holandês Arie Pos e o algarvio Rui Manuel Loureiro (ver a obra Fernão Mendes Pinto e a Projeção de Portugal no Mundo, Editora Húmus, da Universidade do Minho, 2013).

Dois romances excelentes sobre o século da barbárie

DSC03323Nos últimos quinze dias embrenhei-me nas (no total, quase mil) páginas destes dois romances históricos, baseados em rigorosas investigações e pesquisas, por parte dos seus autores, respetivamente, o britânico Martin Amis e o cubano Leonardo Padura. O primeiro narra-nos a vida de três personagens, em Auschwitz, e, o segundo, as peripécias que envolveram a morte de Trótski, perpretada pelo catalão Ramón Mercader. Como pano de fundo, respetivamente, nazismo e estalinismo, os dois regimes totalitários da História da Humanidade e da História do século XX.

O que há de comum nestes dois regimes? Em primeiro lugar, ambos se baseiam em profecias, em doutrinas que apregoam um destino histórico (aquilo que Popper apelidou de historicismo). Em segundo lugar, ambos apostam na destruição da capacidade dos indivíduos pensarem por si mesmos, na coletivização da sociedade, no seio da qual o indivíduo é apenas uma peça da engrenagem; um anónimo sem ambições ou vontade dentro da massa social.

Sem direito a pensar, cada indivíduo executa cegamente o que dele se espera – inclusive matar ou morrer – e deixa de ter vida pessoal. A despersonalização acaba por acontecer, de facto. E só quando a grande massa da população atinge esse estádio se atinge igualmente aquilo a que podemos chamar de Estado totalitário.

Feliz dia do xodó

Eita! Hoje é o aniversário do homem mais fascinante de todos os mundos!
Hoje o dono do mais doce sorriso faz anos e com ele meu coração multiplica
o júbilo! O dia é todo do meu amor! Feliz aniversário, Xodó!

Lembra do diálogo mais querido entre Miguilim e a mãe? Eu recordo com você:
“Mãe, mas por que é, então, para que é, que aconteceu tudo?!”
“Miguilim, me abraça, meu filhinho, que eu te tenho muito amor...”

Miguilim, em sua inocência cheia de sabedoria, faz a pergunta mais
importante na vida de alguém, a pergunta que a tudo interroga em busca do
sentido da existência humana. A mãe, em sua sabedoria cheia de inocência,
revela a razão de vivermos: o amor do outro, que a tudo suporta para nos
proteger.

Xodó, minha vida, não é mesmo possível explicar os caminhos pelos quais a
vida nos leva. É inviável. O homem, em sua infinita ignorância, deve
resignar-se à sua condição aqui na terra. Nada nos salva, nada nos torna
melhor que outrem, nada nos diferencia no meio da multidão. Somos todos
meros mortais. Entretanto, para que possamos suportar os percalços que o
viver nos obriga fomos agraciados com o dom do amor. O amor, sim, é o
único traço eterno. Podemos esquecer tudo, mas o verdadeiro carinho que
nos é dispensado não passa despercebido, e nunca é esquecido.

Xodó, o amor transcende a tudo, a todos. Felizmente não apenas vivo o
amor. Em você vou mais além e vivo, sim, para o NOSSO amor. O amor não é o
fim, é o meio, é uma forma de vida. É, antes de tudo, uma escolha. Você
sempre foi a minha escolha!

Adoro-te! Adoro teu espírito livre e crítico! Adoro teu corpo que, com
tanta paz e harmonia, se entrega aos meus doces desejos sem mistérios ou
pudores. Não há nada em ti que eu não acredite piamente fascinante! És
fascinante, Xodó! És fascinante! És a pessoa mais sensata, equilibrada e
pacífica que conheço. Não precisavas ter milhentas qualidades, mas você,
na beleza que somente os homens livres possuem, tem qualidades
incontáveis, não se é capaz de dar um quantitativo para tudo que conjugas
em ti. Adoro-te em tudo, Xodó. Em absolutamente tudo!

Sinto-me profundamente apaixonada por você! Sinto-me completamente tua!
Sinto (e desejo com ardor!) que você me tem sem rodeios, sem frescuras,
sem quaisquer resquícios de hipocrisia. Ah, como adoro ser tua! Você não
imagina o prazer que tenho sendo tua! Não há nada mais gratificante para
mim do que saber que somos uma só carne. Adoro que comigo você seja! Adoro
ser em você!

Meu amor, hoje não é mais um dia, é o teu dia! Aproveite bem o dia teu! É
todo, inteirinho teu! O sol hoje nasce para brilhar para ti, para aquecer
teu doce corpo e levar paz à tua nobre alma! Acorde bem! Leve consigo o
teu nobre sorriso, cheio de vida e alegria!

Você sabe o quanto eu adoraria e quão grande é minha vontade de estar
contigo hoje para te encher de carinho e paixão. Mas não esqueças, apesar
da distância, que és o mais amado dos homens! E és amado por inteiro, por
tudo o que és!

Ps: falei com um passarinho bem giro, ele ficou encarregado de acordar
você hoje, com um canto muito suave e harmonioso. Na ponta do bico ele
leva um beijo apaixonado da mulher que te ama e adora! AdorAMO-TE!
Vivo-te, xodó! Vivo-te!